Os Vilões da Saúde

Saiba quais são os alimentos responsáveis pelas principais doenças da atualidade, como obesidade, câncer e hipertensão.

Estude na Bíblia:

Princípios de saúde

Os grandes vilões da saúde são gostosos, baratos e vendidos aos montes nos supermercados.

Pois bem, o açúcar, refrigerantes, produtos embutidos e as frituras em geral estão reduzindo gradativamente seus dias na Terra.

Os vilões da saúde fazem parte do cotidiano dos habitantes dos países da América devido a sua praticidade e popularidade. No Brasil e nos Estados Unidos, por exemplo, as pessoas justificam a má alimentação por causa da rotina agitada de trabalho. Isto é, sobra pouco tempo para preparar refeições na sua própria cozinha. Então, o consumo de industrializados acaba sendo a opção mais viável.

Outra justificativa é o custo do estilo de vida mais saudável. Se o sujeito é vegano estrito ou ovolactovegetariano (que faz apenas restrição de carnes), precisa consumir uma variedade de grãos, cereais, frutas, verduras e castanhas como forma de substituição. O alimento preparado em casa tem um processo que é o de planejar, executar e consumir. Isso requer tempo, dinheiro e gosto pela culinária, coisa que as pessoas têm cada vez menos.

Apesar das justificativas para o consumo de alimentos prejudiciais à saúde, ainda assim os especialistas alertam que é preciso evitá-los ou eliminá-los de sua dieta. A nutricionista norte-americana e autora de best-sellers sobre alimentação, Michelle Schoffro Cook, lançou uma lista com os 10 piores alimentos para o consumo humano. São eles: refrigerante diet, refrigerante comum, churros recheados, cachorro quente, bacon, salgadinhos de batata, batata frita, pizza congelada, salgadinhos de milho e sorvete de massa, na ordem de gravidade.

Saiba porquê abandonar de uma vez por todas os principais vilões da saúde.

AÇÚCAR: O açúcar (ou sacarose) refinado é 100% calórico e não apresenta absolutamente nenhum valor nutricional. O alimento é um carboidrato composto por glicose e frutose que torna outros alimentos mais saborosos. Quando consumido em excesso, é armazenado no corpo em forma de triglicérides, o que aumenta muito o risco de doenças cardiovasculares. Sobretudo, o alimento é o principal responsável pelo ganho de peso da população. Por ser calórico, pode levar as pessoas à obesidade, além disso, aumenta o risco de diabetes, hipertensão e dislipidemias. Os carboidratos, de modo geral, como massas e arroz branco, são transformados pelo organismo em “açúcar”. Ou seja, o ideal é evitar o consumo destes alimentos também.  

REFRIGERANTE: Os refrigerantes diet e comuns têm valor nutricional quase nulo, além de conter dezenas de substâncias artificiais e prejudiciais à saúde. As bebidas feitas à base de cola, por exemplo, têm uma grande quantidade de fosfatos que em excesso enfraquecem os ossos (osteoporose), causa envelhecimento precoce, problemas renais e musculares. As latas de refrigerantes comuns (350ml) levam em sua composição entre 30 a 37 gramas de açúcar, o que contribui para o ganho de peso e o surgimento de cáries dentárias. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a maioria dos refrigerantes contém um elemento cancerígeno chamado 4-MI (4-metil-imidazol). Além de tudo isso, as bebidas contêm sódio, o que pode levar o consumidor a um quadro de hipertensão.

FRITURAS: O processo da fritura provoca alterações químicas no óleo utilizado (mesmo sendo de boa qualidade) e faz com que ele se transforme em gordura saturada, que em excesso pode causar diversas doenças. As frituras promovem a formação de gordura trans, que está relacionada ao aumento de doenças cardiovasculares e piora da saúde de modo geral. Alimentos fritos são muito calóricos e aumentam a pressão arterial. A fritura também promove a formação de acroleína nos alimentos, uma substância altamente cancerígena. Uma porção de 100g de batata frita, por exemplo, possui 14% do valor diário de gordura saturada aceitável.  

REFEIÇÕES CONGELADAS: São ricas em gordura saturada e, por isso, promovem o aumento do nível de colesterol ruim e o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Sobretudo, possuem muito sódio que, em excesso, aumentam a pressão arterial. Na maioria dos casos, estes tipos de alimentos possuem um valor nutritivo muito baixo, o que não contribui para a boa saúde.

EMBUTIDOS: A Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou um estudo sobre os alimentos embutidos, como mortadela, salame, presunto, peito de peru, salsicha, carne seca e carne enlatada, e concluiu que o consumo de 50g por dia aumentam em 18% o risco de câncer colorretal. Isso ocorre porque os produtos processados recebem grande quantidade de sal e aditivos químicos (nitrito e nitrato) para ajudar na conservação. Os embutidos também contêm corantes, que podem provocar alergias e outros incômodos. Além disso, aumentam os níveis de colesterol e podem ocasionar doenças cardiovasculares.  

CALDOS E TEMPEROS INDUSTRIALIZADOS: Estes produtos contêm muito sódio e glutamato monossódico. Como já se sabe, o sódio pode aumentar a pressão arterial ou piorar o problema se ele já existe. O corpo humano usa o glutamato como um transmissor de impulsos nervosos para o cérebro. Por isso, seu consumo está associado ao desenvolvimento de Alzheimer, Parkinson, câncer e prejudica o aprendizado.

No início de 2017, a operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal (PF), polemizou o consumo de carnes produzidas no Brasil. Entre elas, a adição de papelão e ácido ascórbico no processo industrial dos produtos de origem animal. Verdade ou não, o assunto gerou debate e muitas pessoas começaram a procurar alternativas para melhorar a alimentação e a qualidade de vida. No vídeo ao lado, você pode ver algumas dicas:

Quiz

O que você costuma consumir no café da manhã?

O que você costuma comer no almoço?

Você costuma beber líquido durante as refeições?

Falando em bebida, você costuma beber refrigerante e sucos industrializados?

Nos intervalos das refeições, você costuma comer o quê?

Você ingere quantos litros de água por dia?

Depois das principais refeições, você costuma pedir sobremesa?

Você come fast food com qual frequência?

Você tenta levar uma vida saudável e equilibrada, mas ainda precisa mudar alguns hábitos. Comece tentando comer mais salada e evitar tomar líquido durante as refeições. Corte de uma vez por todas refrigerantes, açúcar, frituras e fast foods. Além disso, é importante praticar exercícios físicos e dormir bem. Falta pouco para você manter uma boa saúde. Sabia que a Bíblia dá alguns conselhos sobre saúde? Saiba Mais

Parabéns, você é uma pessoa bastante saudável. Continue seguindo este estilo de vida e influencie as pessoas ao seu redor. Ah, você sabia que a Bíblia fala bastante sobre esse estilo de vida que você escolheu seguir? Saiba Mais

Realmente, você precisa começar a mudar seus hábitos de vida. Comece procurando um especialista. Evite o consumo de açúcar, refrigerantes, embutidos, frituras, entre outros. Pratique exercícios físicos e corra atrás do prejuízo. Ah, a Bíblia dá algumas dicas que podem te ajudar nessa mudança de hábitos. Saiba Mais

Muitas pessoas já perceberam que é preciso começar uma mudança radical na alimentação. Outras, precisam apenas deixar de consumir alguns produtos não tão saudáveis. Em ambos os casos, a mudança, por menor que seja, não é um processo fácil. Seja para quem deseja se alimentar melhor a fim de perder peso ou para ganhar peso da forma correta. Por isso, é importante buscar ajuda especializada.

Entrevista com especialista

Elson Nunes

Médico cardiologista e diretor clínico do SPA Médico Cevisa

Quais os passos para quem deseja emagrecer ou engordar de maneira saudável?

EN: O primeiro passo é entender que a mudança deve ser lenta e progressiva, a não ser que haja uma emergência em relação a saúde. Cada mudança de hábito exige foco e muitas vezes um esforço psicológico intenso, sendo muito difícil manter uma mudança radical de muitos aspectos ao mesmo tempo. Em segundo lugar, é preciso estabelecer metas específicas e relevantes, no sentido de se ter um estímulo a mais para prosseguir. É impossível se tornar a pessoa que você quer sem antes modificar os hábitos da pessoa que você é. Após definir um foco relevante, é importante a perseverança. Ou você fará parte dos 95% de pessoas que começam uma mudança e não conseguem mantê-la por um ano.

Dados do Instituto IPSOS afirmam que 28% dos brasileiros estão tentando comer menos carne animal. Segundo o site World Atlas, o Brasil é o oitavo país com mais vegetarianos do mundo. O primeiro é a Índia, que não consome carne bovina por motivos religiosos. Para os vegetarianos, veganos e ovolactovegetarianos há um consenso sobre o assunto, pois para eles a carne apresenta mais malefícios do que benefícios. Os veganos, em especial, levam um estilo de vida mais estrito quanto ao consumo da carne. Eles não compram, usam ou vendem produtos testados em animais ou artigos feitos com couro ou pêlos. O vegetarianismo tem crescido tanto que hoje soma quase 16 milhões de adeptos só no Brasil, segundo o Ibope.

Como substituir os alimentos de origem animal e suprir as necessidades de vitaminas e demais nutrientes?

EN: A alimentação vegetariana não é tão complicada como parece. A proteína é a primeira preocupação para quem quer migrar para esta alimentação. Mas a proteína é encontrada em muitos alimentos, como os feijões, grão de bico, lentilha, ervilha, arroz integral, a soja e seus derivados, as castanhas, nozes, amendoim, sementes de girassol, sementes de abóbora, chia, linhaça, quinua, amaranto, espinafre, brócolis, aspargos, couve, cogumelos, entre outros. Outra preocupação na dieta vegetariana é o consumo de cálcio, que é encontrado também em muitas fontes, como soja, gergelim, feijões, salsinha, castanhas e os outros alimentos já citados como fonte de proteína. O único nutriente que realmente não encontramos nos alimentos vegetais é a vitamina B12, que deve ser suplementada. Mas 50% dos onívoros também apresentam esta deficiência e devem sempre conferir, já que é uma vitamina de extrema importância.

Se para os adultos mudar a alimentação por vontade própria é difícil, imagina para as crianças que são obrigadas? Os pequenos adoram doces, massas, pizzas, refrigerantes e fast food. Os hábitos das crianças são estimulados pelos pais. Isto é, a mudança no estilo de vida deve afetar toda a família. Conquistá-los sempre vai exigir dos pais muita paciência e criatividade.

Como fazer para as crianças aprenderem a comer legumes e vegetais?

EN: As crianças costumam imitar os pais. Então, a primeira coisa é dar o exemplo. Outra forma é evitar alguns vegetais mais amargos, já que a criança tem mais dificuldade com este paladar e desenvolve melhor com a idade. Tentar introduzir os mais saborosos e não criar um mito ou trauma em relação aos alimentos. É preciso ser prazeroso comer alimentos saudáveis ou estas crianças crescerão e se tornarão adultos que relacionam os alimentos saudáveis há algum castigo.

As crianças passam a maior parte da vida na escola. Por isso, a alimentação dos pequenos também deve ser planejada neste ambiente. Uma professora de Hortolândia-SP descobriu como fazer seus alunos comerem frutas. Confira no vídeo a seguir:

A nutricionista Cyntia Maureen também dá algumas dicas de como lidar com a alimentação das crianças. Ela aconselha os pais a envolverem a criança na compra dos alimentos, levá-la à cozinha e preparar com ela alguma receita que use o ingrediente. Também é importante variar nos cortes, na preparação e na apresentação dos alimentos.

Se a criança não come brócolis refogado, a ideia é fazer bolinho de brócolis ou colocar a verdura no arroz. “Muitas crianças podem rejeitar cenoura cortada em rodelas, mas gostar de comê-las em palitinhos. Um prato com uma carinha desenhada com os alimentos é bem mais atraente do que a disposição simples da comida”, sugere Cyntia.

A nutricionista ainda diz que “sempre é bom oferecer alimentos diversificados. Muitas vezes, alguns deles podem ser rejeitados na primeira vez, mas o paladar pode ser modificado com o tempo. Nunca castigue as crianças por rejeitar algum alimento. E, principalmente, os pais devem dar o exemplo”, finaliza.

Um estudo inédito realizado em São Paulo identificou quais fatores ajudam as pessoas a terem mais saúde e longevidade. É chamado de Estudo Advento (sigla para Análise da Dieta e Hábitos de Vida na Prevenção de Eventos Cardiovasculares em Adventistas do Sétimo Dia) e é coordenado pelo médico cardiologista e médico assistente do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, Everton Gomes Padilha. Na entrevista abaixo, feita em 2016, ele explica como foi desenvolvida a pesquisa.

Para muitas pessoas, cuidar da saúde é um princípio de vida. Diversas religiões prezam pela qualidade de vida, bem-estar e alimentação saudável. Isso tudo porque a Bíblia Sagrada, o livro mais popular do mundo, também aborda esse assunto de diversas formas e em várias histórias. Saiba Mais

Sempre que sentir vontade de comer algo que é prejudicial à saúde ou, simplesmente, sentir o desejo de comer algo sem fome, pense: Preciso mesmo comer isso? Estou realmente com fome? Isso vai resolver meus problemas? 

Em muitos casos, a má alimentação está relacionada aos problemas emocionais, espirituais ou profissionais. Especialistas alertam que comida não pode resolver todos os problemas humanos, apenas a fome.